Voltar

Veja como será a “Indústria de Seguros 4.0”

 

Veja como será a

Como será a indústria de seguro no futuro? Esta foi uma das questões debatidas no último dia da 11a. Conferência Internacional Brokerslink 2019, realizada em Bordeaux, França, entre os dias 16 e 18 de outubro. Michael J. Morrissey, presidente e CEO do International Insurance Society (IIS). "Insurance 4.0 vai muito além de novos produtos, novos riscos e nova forma de fazer o seguro chegar aos clientes. Significa uma concepção totalmente nova sobre o que o seguro pode ser e fazer pela sociedade", afirma. 

A razão é que existem três tipos separados, mas conectados, de interrupção acontecendo simultaneamente: ruptura tecnológica, perturbação econômica e ruptura social. Ele descreveu a revolução do mundo e como ela traz desafios para o mercado de seguros do futuro. Algumas partes do mundo estão envelhecendo rapidamente, com a consequente economia de aposentadoria e desafios de assistência médica, enquanto outras, principalmente no Hemisfério Sul, têm mais jovens do que empregos; as pessoas querem poder usar as coisas sem necessariamente possuí-las; conceitos de trabalho estão mudando; igualdade de renda e igualdade de gênero são questões importantes. E tudo isso exige uma rápida mudança da indústria de seguros.

A começar, a indústria deve atrair mais a atenção dos governos, abrindo um canal de comunicação mais amigável diante do poder que tem como investidor de longo prazo. Globalmente, o setor possui mais de US$ 35 trilhões em ativos investidos. Ativos que são investidos nos mercados de títulos governamentais dos países domiciliares das empresas. Ativos investidos em seus mercados de ações e títulos corporativos também. Como investidoras institucionais, de longo prazo, ao lado de fundos de pensão, são vitais para o financiamento da infraestrutura. Recursos para financiar projetos de crescimento para o mundo emergente e financiamento de reconstrução para o mundo desenvolvido. "Certamente isso chama a atenção dos estrategistas políticos e, portanto, esse atributo pode contribuir para melhorar a estatura do setor", afirma.

Alguns especialistas afirmam que todas as seguradoras serão empresas de tecnologia. Se isso é quase verdade, diz, as seguradoras, que se baseiam em informações, certamente devem ser empresas de tecnologia para ter sucesso. Mas todos eles podem ser? Segundo ele, não. "Alguns não têm a mentalidade para se adaptar à inovação. Conheço muitas seguradoras que empregam apenas versões ligeiramente modernizadas dos mesmos processos que já existem há mais de 100 anos e que ainda sobrevivem. Elas continuarão tentando manter o jogo como sempre foi até serem realmente forçadas a mudar".

E quem as mudará? Os donos do capital. Morrissey traça um cenário mundial que é bem percebido no Brasil, no qual os investidores estão impacientes com relação aos retornos de seguradoras e, portanto, o volume de fusões e aquisições aumenta. Poucas seguradoras pequenas se tornaram provedoras de tecnologia de ponta. A maioria tem de procurar parceiros fortes. As empresas mútuas, que não tem investidores exigentes, continuarão, mas devem perder participação de mercado para os concorrentes inovadores. "Acredito que o movimento Insurance 4.0 apresentará uma consolidação acelerada da indústria global, impulsionada pelos líderes que avançam "em" e "na" tecnologia.

Certamente, afirma ele, a melhor utilização dos dados pelas seguradoras levará a preços mais acessíveis e redução de fraudes, otimizando os ciclos de subscrição. Por sua vez, isso fará com que o setor se torne mais ativo em gerenciamento de risco do que em pagamento de indenizações. "Fico chocado ao descobrir que muitas pessoas ainda pensam que nossa indústria existe apenas para pagar indenização a pessoas depois que coisas ruins acontecem. De fato, o papel do setor na mitigação e até na prevenção de perdas antes que elas ocorram é a principal razão para o rápido aumento de parcerias pelos governos para ajudá-los a antecipar e reduzir, e não apenas pagar, as perdas", afirma.

Para Morrissey, o maior valor da indústria para seus clientes será a capacidade de prever melhor os riscos e mitigar perdas como com eventos climáticos extremos, ataques cibernéticos, riscos ambientais e terrorismo. "Veremos, certamente, uma consolidação em torno de seguradoras especialistas e não mais em grandes seguradoras", prevê.

Ele citou que participou das reuniões do G20 deste ano na Argentina, onde, pela primeira vez, foi realizada uma cúpula de seguros. "A indústria e os governos exploraram oportunidades de trabalhar em conjunto para reduzir as perdas com riscos como consequências das mudanças climáticas, projetos de infraestrutura entre outros Está claro que cada dólar gasto em mitigação e prevenção de perdas pelos governos são economizados cinco dólares em gastos após o evento.

A verdadeira mudança está em centrar o modelo de negócios no atendimento das necessidades do cliente. "Quando isso realmente acontecer, chegaremos no esplendor do Insurance 4.0! Um novo nível de organização e controle sobre toda a cadeia de valor de um produto personalizados a um cliente consciente dos riscos."

Sonho Seguro - Denise Bueno (22/10/2019)