Voltar

Investimentos de pessoas físicas têm alta de 6,3%

O volume aplicado pelas pessoas físicas no mercado de investimentos cresceu 6,3% no primeiro semestre e alcançou R$ 4,423 trilhões, segundo a Anbima, que representa o mercado de capitais e de investimentos.

O movimento foi puxado por uma captação recorde dos fundos de investimentos, de R$ 206 bilhões no período. Houve também incremento da fatia aloucada em renda variável, de 19,8% para 22,6%. O Ibovespa subiu 6,5% no acumulado de janeiro a junho.

No varejo tradicional e alta renda, o volume atingiu R$ 2,655 trilhões, com alta de 4,6% desde dezembro e de 28,6% em 12 meses. Os fundos representavam R$ 706,2 bilhões desse bolo, com R$ 968,5 bilhões em títulos e valores mobiliários e R$ 980,5 bilhões na poupança.

A parcela na caderneta caiu de 38,8% para 36,9% de dezembro para cá, enquanto as aplicações em CDB aumentaram de 16,8% para 17,2%. Em fundos de renda fixa, a proporção caiu de 14,4% para 13,3% e em ações subiu de 7,2% para 8,1%.

Os multimercados também ganharam representatividade, de 6,8% para 7,5%.

No private banking, os valores sob gestão cresceram 8,8% no semestre, a R$ 1,768 trilhão, com aumento de 35,4% em 12 meses. Os fundos alcançaram R$ 779,3 bilhões, ações R$ 515,9 bilhões, e os ativos de renda fixa R$ 309,6 bilhões. Nessa segmentação, a previdência atingiu R$ 149,7 bilhões.

Na distribuição, compras diretas em ações cresceram de 26,3% para 29,2% e via fundos aumentou de 8% para 9,6%. Multimercados perderam participação, de 29,2% para 28,1%, enquanto a fatia na previdência recuou de 9,4% para 8,5%. A parcela em fundos de renda fixa também caiu, de 5,5% para 4,6%.

Valor online