Voltar

ICSS: mercado menos otimista em setembro

Pelo segundo mês consecutivo, Corretores de Seguros, seguradores e resseguradores demonstraram, em setembro, que estão menos otimistas quanto ao desempenho do mercado no segundo semestre. É o que mostra a última edição do Índice de Confiança do Setor de Seguros (ICSS), calculado com base em pesquisa da Fenacor e que resulta de três variáveis: ICGC (Índice de Confiança das Grandes Corretoras), ICES (Índice de Confiança e Expectativas das Seguradoras) e ICER (Índice de Confiança e Expectativas das Resseguradoras). 

Em setembro, o ICSS ficou em 117,5, a menor marca apurada desde abril (114,3).

A exemplo do que foi apurado em agosto, nenhum dos Corretores ou Resseguradores entrevistados projetou uma queda no faturamento do setor em 2021. Já entre os seguradores, apenas 6% temem uma retração. 

Para 68% dos seguradores, 40% dos corretores de seguros e 75% dos resseguradores, haverá um cenário "melhor" nos próximos meses. 

Além disso, 26% dos seguradores, 60% dos corretores e 25% dos resseguradores responderam que não ocorrerão mudanças, com o nível do faturamento apurado até agora se mantendo estável.

Quanto à rentabilidade dos seus negócios nos próximos seis meses, apenas 10% dos seguradores e 7% dos Corretores – e nenhum ressegurador - temem uma queda. 

Acreditam em um quadro de estabilidade 53% dos seguradores, 53% dos corretores e 75% dos resseguradores.

Já para 40% dos corretores, 37% dos seguradores e 25% dos resseguradores, haverá um crescimento dos níveis de rentabilidade registrados no primeiro semestre.

Com relação ao desempenho da economia brasileira nos próximos meses, 16% dos seguradores, 40% dos corretores e 50% dos resseguradores entrevistados apostam em uma retomada do crescimento até o final do ano. Há ainda 6% dos Corretores entrevistados que projetam um cenário "muito melhor". 

Em contrapartida, 7% dos Corretores, 21% dos seguradores e 25% dos resseguradores responderam que acreditam na possibilidade de uma piora no quadro econômico do país. 

Há ainda 63% dos seguradores, 47% dos corretores e 25% dos resseguradaores que projetam uma estabilidade até o encerramento do exercício.

Fenacor