Voltar

Grã-Bretanha apoia pacote de US$ 1 bilhão em resseguro

A Grã-Bretanha lançou um pacote de resseguro apoiado pelo governo totalizando mais de £ 750 milhões de libras (US$ 1 bilhão) na quinta-feira para cobrir eventos ao vivo contra o risco de cancelamento devido à pandemia COVID-19, após intenso lobby da indústria.

As seguradoras retiraram a cobertura do coronavírus das políticas de cancelamento de eventos depois que a pandemia se instalou no ano passado, o que fez com que figuras importantes da indústria do entretenimento, como Andrew Lloyd-Webber, exigissem um esquema apoiado pelo governo para permitir que os eventos prosseguissem.

Festivais, shows e exposições já sofreram cancelamentos devido à falta de seguro durante a pandemia, apesar dos esforços intensos para limitar os riscos à saúde para artistas, equipes de eventos e portadores de ingressos.

O festival de música Womad cancelou seu evento de julho de 2021, citando a relutância do governo em fornecer suporte de seguro.

O governo britânico está agora trabalhando com o mercado especializado de seguros Lloyd's de Londres para fornecer o plano, disse o Ministério das Finanças em um comunicado.

E os organizadores de eventos poderão, a partir de setembro, adquirir seguro extra contra cancelamento devido às restrições governamentais COVID-19, além do seguro padrão para eventos.

O seguro estará disponível nos sindicatos do Lloyd's de Londres, incluindo Beazley, Hiscox e Munich Re, com o governo atuando como ressegurador.

"Com este novo esquema de seguro, tudo, desde música ao vivo em Margate a eventos de negócios em Birmingham, pode prosseguir com confiança", disse o ministro das finanças britânico, Rishi Sunak.

Tim Thornhill, diretor da corretora de seguros Tysers, disse que o esquema era "a notícia de que a indústria de eventos precisava".

Isso segue um apoio similar de £ 500 milhões para a indústria de cinema e televisão no ano passado, que apoiou 610 produções independentes de cinema e TV.

No entanto, algumas fontes da indústria disseram que o novo esquema de eventos ao vivo era limitado, uma vez que cobre bloqueios do governo, mas não cobre restrições de distanciamento social mais amplo, ou doenças de artistas ou funcionários devido ao COVID-19.

Paul Reed, CEO da Association of Independent Festivals, disse que era "imperativo" que o governo continuasse a trabalhar com a indústria para "garantir que os organizadores possam planejar com mais confiança para 2022".

Sonho Seguro