Voltar

Cresce demanda para seguro de criptomoedas

Cresce demanda para seguro de criptomoedas

A Coinbase revelou os detalhes de seus acordos de seguro para a criptomoeda realizada em nome dos clientes. Em um post publicado na terça-feira, Philip Martin, vice-presidente de segurança da bolsa de criptomoeda sediada em São Francisco (EUA), confirmou que está coberto por até US$ 255 milhões para moedas mantidas em carteiras com ativos que são essencialmente online e abertos a possíveis hackers. A apólice, segundo informou, foi colocada pela corretora Aon, incluindo alguns sindicatos do Lloyd's de Londres, disse o post do blog de Martin. Ele não nomeou os subscritores individuais.

Pessoas que possuem criptos geralmente deixam uma parte do que possuem em "Hot Wallets" para comprar itens, pagar contas, fazer alguns trades entre outras coisas. Já as "Cold Wallets" são como um investimento seguro, visto que não são conectadas à internet e – por isso – são mais protegidas contra hacker, explica o portal Critptofacil.

O Lloyd's, que reúne diversos sindicatos de seguros especializados em quase tudo, desde crimes e ataques cibernéticos até desastres naturais, é visto como um selo de aprovação quando se trata de subscrição de perdas potenciais de ativos de criptografia. No mês passado, especialistas da BitGo divulgaram US$ 100 milhões em cobertura para criptografia mantida em armazenamento e chegaram a nomear um sindicato do Lloyd's entre os subscritores do risco.

Em relação à postagem no blog da Coinbase, Clarissa Horowitz, vice-presidente de marketing da BitGo, disse ao portal CoinDesk por e-mail: "Estamos felizes em ver que a Coinbase está seguindo nossa liderança para trazer mais transparência à discussão sobre seguros para ativos digitais. O seguro é complexo e a transparência é essencial para construir confiança ".

Crime vs. espécie – Além de ser mais transparente sobre a cobertura de seguro da Coinbase, Martin aproveitou a oportunidade falar sobre algumas das coisas que o incomodam sobre o nascente mercado de seguro de criptografia.

Para começar, de longe, o cenário de perda do consumidor mais provável para qualquer empresa de criptomoedas é a perda de carteira devido a hacking. Devido a esse fato, a cobertura para exposições de carteiras online é significativamente mais cara do que a cobertura para armazenamento de ativos em estoque, observou Martin.

Além disso, a cobertura de carteira online é fornecida especificamente pelo mercado de seguros contra crimes, que é diferente e separado da variedade de armazenamento, que é coberta pelo mercado de seguros de espécies.

As políticas de criminalidade cobrem o que ele chama de "valor em trânsito", que tradicionalmente inclui o roubo de coisas como dinheiro em caixas eletrônicos e carros blindados. Na criptografia, esse tipo de seguro cobriria perdas devido a hackers, roubo interno e transferência fraudulenta. Incluído neste são moeda fiduciária e cobertura de carteira online, além do dano físico ou roubo de dados de chave privada de ativos estocados.

O mercado de espécies, por outro lado, geralmente garante "valor em repouso", como arte, metais preciosos e similares quando em um cofre ou em exibição. Para os ativos digitais, então, as políticas de espécies disponíveis no mercado hoje se concentram exclusivamente em danos físicos ou perda de chaves privadas (incluindo o uso indevido ou roubo de funcionários) mantidas em estoque.

"As empresas devem se concentrar no seguro de valor em trânsito. Isso significa que as bolsas e carteiras devem ter cobertura de crime suficiente para cobrir totalmente suas carteiras em negociação virtual.

Como tal, os custodiantes devem ter seguro criminal suficiente para cobrir os tamanhos normais de transação do cliente ou o suficiente para cobrir os ativos que estão programaticamente acessíveis, se não estiverem usando o valor em estoque, disse ele.

O blog também apontou que as políticas de espécies geralmente não cobrem o hacking no sentido tradicional da palavra, nem tampouco cobririam qualquer tipo de falha específica do blockchain. Por exemplo, essa política não cobriria uma perda de fundos que ocorreu devido a uma falha no blockchain, como uma implementação vulnerável de assinatura múltipla de contrato inteligente. "O melhor uso das políticas de espécies é como uma proteção contra grandes desastres naturais ou regionais, ou roubo/destruição de material privado de chave privada", acrescentou Martin.

Blog Sonho Seguro (08/04/2019)