Voltar

Contratação de seguro rural mais que dobrou em 2020

A contratação de apólices de seguro rural mais que dobrou no ano passado na comparação com 2019, informou o Ministério da Agricultura nesta quarta-feira. O número de apólices subiu 108%, passando de 93,1 mil a 193,4 mil de um ano a outro. O ministério aplicou todo o orçamento previsto para o programa de subvenção, de R$ 881 milhões. Esse montante apoiou a cobertura de 13,7 milhões de hectares e um valor total segurado de R$ 45,8 bilhões em todo o país.

De acordo com relatório divulgado hoje pela Pasta, os índices mostram uma evolução acima de 100% em relação a 2019. Naquele ano, a área segurada ficou em 6,7 milhões de hectares e o capital protegido dos produtores foi de R$ 19,5 bilhões. O ministério ainda não divulgou as perspectivas para 2021.

Apesar de ter anunciado R$ 1,3 bilhão para o orçamento deste ano durante o lançamento do Plano Safra, em junho do ano passado, o valor deve ficar em R$ 1,06 bilhão. A taxa de sinistralidade ficou em 84% em 2020, acima da média de 76% dos últimos sete anos, mas abaixo dos 89% de 2019.

Ao todo, as 14 seguradoras que atuam no mercado do seguro rural pagaram R$ 2,5 bilhões em indenizações aos produtores em 2020. No ano anterior, as indenizações somaram R$ 1,96 bilhão. As 193,4 mil apólices foram contratadas por 105.730 produtores. Desse contigente, 34% receberam pela primeira vez a subvenção federal para aquisição do seguro, o que representa a maior inclusão de novos produtores na história, segundo o ministério.

O maior número de contratações de apólices ocorreu na cultura da soja (97,6 mil), seguida do milho segunda safra (33,3 mil) e do trigo (13,4 mil). Juntas, as três representam mais de 80% da destinação dos recursos e quase 90% da área segurada.

A região Sul continua dominando o acesso ao Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR). Juntos, os três Estados acessaram quase 57% dos recursos. O líder em número de apólices, área e valor segurado segue sendo o Paraná, seguido por Rio Grande do Sul e São Paulo.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que é necessário consolidar o seguro rural como uma das principais ferramentas de gestão de risco disponíveis para o produtor. "No ano passado, foi possível alcançar um patamar importante para o seguro rural. Em 2019, o PSR atendia cerca de 42 mil produtores, e em 2020 conseguimos apoiar 105 mil", disse a ministra em nota.

 "Considerando os sucessivos problemas climáticos observados nos últimos anos, cada vez mais severos, o produtor rural não deveria plantar sem a proteção do seguro e seguindo as recomendações do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc). Apenas em 2020, as seguradoras pagaram aos produtores aproximadamente R$ 2,5 bilhões em indenizações. Isso demonstra a efetividade do seguro", avalia o diretor do Departamento de Gestão de Riscos do ministério, Pedro Loyola.

Valor Econômico