Voltar

Brasileiros são resistentes em compartilhar dados no Open Insurance

Segundo pesquisa realizada pela Bain & Company, e divulgada no Valor Econômico, mais da metade dos entrevistados (59%) ainda resistem em compartilhar seus dados no Open Insurance.

De acordo com o levantamento, 34% acham o compartilhamento de informações um processo inseguro, enquanto 33% revelam receio de que, se autorizar o acesso aos seus dados, poderão estar expostos a ligações indevidas de telemarketing.

Os 41% dispostos a compartilhar seus dados, só fariam se a reputação da empresa e a transparência sobre como as informações serão utilizadas fossem informadas. A pesquisa ainda mostra que 59% apontam a reputação da companhia como principal fator, enquanto 57% citam a transparência na utilização dos dados.

Em entrevista ao Valor, a sócia da Bain & Company, Luiza Mattos, revela que um relacionamento de longo prazo com a seguradora não é suficiente para convencer o consumidor a abrir os seus dados. "A pesquisa mostrou que apenas 22% dos respondentes consideram esse um critério relevante, o que revela que as companhias precisam repensar o tratamento com seus clientes".

O Open Insurance está previsto para ser implementado em fases e, a primeira, que contempla o compartilhamento de dados públicos das empresas referentes a produtos e canais de atendimentos, deverá iniciar a partir de 15 de dezembro. A segunda fase, quando os clientes poderão compartilhar seus dados pessoais, se inicia em 1º de setembro de 2022. Já a terceira fase prevê a execução de serviços por meio do ecossistema, terá início em 1º de dezembro de 2022.

Comunicação Sincor-SP