Voltar

Aumenta demanda por assistência residencial

Com o objetivo de discutir o seguro residencial após implantação do home office por conta da pandemia, o Sindseg SP promoveu, na manhã desta terça-feira (28), a estreia do programa "Cenários Sindseg SP" que contou com a participação de Simone Fávaro, vice-presidente do Sincor SP; Leonardo de Freitas, vice-presidente do Sindseg SP (Bradesco Seguros) e Euclides Gerenutti, Conselheiro do Sindseg (HDI Seguros) para discutir o assunto.

Em 2021, já foi identificado um aumento de 15% na demanda de solicitação dos serviços de assistências. O dado foi apresentado por Euclides Gerenutti para falar sobre o aumento na aderência dos seguros residenciais. O executivo explicou que o consumidor passou a pesquisar e questionar sobre esse produto. Antes, ele tinha um apelo grande quando se tratava de eventos da natureza, como inundações, alagamentos, mas agora há um apelo grande com as assistências 24 horas.

Ainda de acordo com Generurri, o Corretor de Seguros pode oferecer o seguro residencial porque se trata de produto com o maior apelo de venda nos produtos de patrimônio. "O segurado pode contar com serviços elétricos e hidráulicos, existem coberturas que nos dá condições de oferecer um produto de alto nível e os consumidores estão muito mais atentos e conhecendo muito mais sobre o que podem utilizar".

Na Bradesco Seguros, informou Leonardo, houve um aumento de 70%, entre janeiro e agosto de 2021, se comparado com o mesmo período do ano anterior, na demanda por assistências. O destaque, nesse caso, vai para a limpeza de caixa d'água, que apresentou alta de 120% nas solicitações. "Há um grande espaço a ser ocupado, principalmente nas regiões sub penetradas onde o produto ainda não chegou. Há uma tendência dos escritórios se encolherem e as pessoas continuarem a trabalhar, também, em casa. O seguro residencial possui um preço extremamente atraente e agrega muito valor, há um público a ser conquistado, existe um grande espaço para a oferta do seguro residencial no Brasil", acrescentou.

A vice-presidente do Sincor-SP disse que também é cliente do seguro residencial e pontuou que os colegas de profissão precisam ter a percepção da oferta porque o desenvolvimento da carteira vem a partir disso. "O consumidor não tem um interesse espontâneo pelo seguro residencial, sendo que, na verdade, ele é muito acessível", disse e continuou, explicando que as assistências oferecidas permitem ao Corretor uma venda mais rápida. "Nós tivemos um vendaval intenso em São Paulo essa semana. Dentro do seguro residencial há cobertura para esses riscos. O sinistro é uma oportunidade para o Corretor na hora da renovação ou na oferta de um seguro nov o. Um bom argumento é mostrar para o cliente o quanto ele gastaria com os serviços contratados individualmente e o quanto ele paga por um produto que acopla tudo isso", ressaltou.

Partindo desse principio, Rivaldo enfatizou que é importante lembrar o quanto as assistências têm um apelo quando se trata de seguro residencial. "Nossa casa passou a ter uma concentração muito maior de pessoas, com isso, os riscos aumentaram, o que nos faz precisar de seguros o tempo todo. Muitas pessoas não contratam porque não sabem que é uma apólice muito barata. Cabe ao Corretor difundir essa informação. A maioria das companhias oferecem dedetização, help desk, mudança de imóvel, dálias, torneiras, chuveiros, caçambas, vidros, vazamentos. Argumentos os Corretores têm de sobra", finalizou.

Sindseg/SP