Voltar

“Estamos transcendendo, mas continuaremos propagando a cultura do seguro à sociedade”

A frase foi proferida pelo presidente da ENS, Robert Bittar, durante discurso na solenidade de abertura do 21º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, realizado pela Fenacor, entre 10 e 12 de outubro, na Costa do Sauípe (BA).

Congressistas, personalidades do setor, autoridades e jornalistas lotaram a Arena onde aconteceu a cerimônia. Robert Bittar aproveitou a ocasião para anunciar que a ENS está passando por importantes mudanças. "A qualificação tem sido mais exigida pelos consumidores, por isso, estamos transcendendo e vamos começar a oferecer programas educacionais em outras áreas de negócio", revelou.

O executivo ressaltou, no entanto, que a Instituição continuará cumprindo seu papel como principal educadora do mercado de seguros. "Seguiremos propagando e difundindo a cultura do seguro à sociedade, de maneira cada vez mais intensa".

Mudança de patamar

O anfitrião do evento, o presidente da Fenacor, Armando Vergilio, falou sobre as propostas de mudanças que estão chegando ao setor. "Essas mudanças farão o nosso mercado mudar de patamar, podendo até dobrar sua participação no PIB nos próximos cinco anos", salientou.

Vergilio acrescentou que isso ocorrerá não apenas pela natural ocupação de espaços ainda não preenchidos, mas, também, em decorrência de propostas em estudo no governo, como a que prevê a privatização de seguros públicos como o de acidentes de trabalho e o de desemprego.

Em seu pronunciamento, o presidente da CNseg, Marcio Coriolano, comemorou o fato de o faturamento do mercado ter crescido na faixa dos dois dígitos até agosto. "Isso não acontecia desde 2015, quando o Brasil, desculpem a expressão, ainda ‘bombava'", comentou.

Corretores autorregulados

Coriolano destacou também o "protagonismo inédito" dos seguros de pessoas e residencial, e o fato de as reservas do mercado já terem ultrapassado R$ 1 trilhão. "Nossa indústria desonera o estado e amplia a rede de proteção da sociedade", afirmou.

Em seguida, o deputado federal Lucas Vergilio apontou que a "ligação direta" entre a superintendente da Susep, Solange Vieira, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, é um fator extremamente positivo para o setor. "A Susep recebeu a missão de baratear e levar o seguro a todas as camadas da população. Creio que a superintendente fará uma grande gestão", assinalou o parlamentar.

Por sua vez, a maior autoridade do mercado de seguros, Solange Vieira, aproveitou o momento diante de milhares de corretores de seguros para anunciar que não vê mais necessidade de a Susep regular a categoria. "Entendo que vocês, corretores, já têm maturidade suficiente para a autorregulação".
 
Também compuseram a mesa solene o senador Rogério Carvalho, que enfatizou a importância de o setor ter uma atuação forte no Congresso Nacional, e o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, que falou da agenda do governo direcionada à redução dos gastos públicos e das boas perspectivas que serão geradas pelas reformas trabalhista e da previdência.

ENS (25/10/2019)